“É preciso que se conte
Senão nada aconteceu
A vida é muito maior
Que o pouco que se viveu”

Jean Garfunkel

Nossos alunos de 6° ano perceberam o quanto esse trecho poético deve ser levado a sério no emaranhado de informações de origem tecnológica ao nosso redor. Ao estudarem o gênero conto popular, vêm à tona discussões sobre a importância da narrativa contada boca a boca e do quanto isso torna genuína nossa história.

Dentro dessa perspectiva, ler “Minha querida assombração”, de Reginaldo Prandi, foi e é sempre um presente para nós: viagem em família, comida da fazenda, histórias contadas ao pé do fogão a lenha, assombrações. Todos esses ingredientes enriqueceram muito nosso imaginário e a percepção do valor da cultura do povo, que somos todos nós.

Reginaldo Prandi mais uma vez esteve presente em nossa escola. Suas visitas engrandecem não só o significado da leitura da narrativa, mas também nossa visão carinhosa em direção às nossas raízes.

Professora Simone Jorge

[nggallery id=2024 images=10]

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *