CRIPTOGRAFIA é o ato de mascarar uma mensagem, a fim de que apenas o mensageiro e o destinatário sejam capazes de desvendá-la, usando uma chave de codificação. Chaves criptográficas são usadas na computação para permitir que apenas alguns usuários tenham acesso a determinadas informações contidas na internet e em assinaturas e documentos digitais. Nesses casos, um conjunto de bites codifica e decodifica informações para diversos usuários da internet, onde, se o usuário receptor usar a chave errada, não conseguirá extrair tais informações.

 A criptografia (do grego Kryptós = oculto + Gráphein = escrever) surgiu há centenas de anos com chaves mais simples, mas que auxiliaram e interferiram em guerras e em estratégias governamentais. Quem não se lembra da língua do P? Uma brincadeira boba entre meninas antigamente? Não, não, não…. Uma técnica de criptografia.

 Durante a aula do Gama, projeto de Aperfeiçoamento em Matemática, os alunos tiveram contato com diferentes chaves de criptografia, como a do francês Blaise de Vigenère, baseada em diferentes combinações de letras e que permaneceu indecifrável por quase três séculos. Após esse trabalho, cada aluno criou uma chave, que será publicada e socializada com toda a comunidade escolar, semanalmente, até o final do presente ano letivo, no jornal da escola Villare: “Villare e o Mundo em foco”.

 O fato de pessoas conseguirem desvendar o segredo de algumas chaves tem feito com que diversas empresas se especializem na criação e no aperfeiçoamento de chaves criptográficas e com que esse método seja citado em diversos artigos, como o “Quebrando Códigos” da Revista Galileu (Abril/2003) e o “Carta-códico” da Revista do Professor de Matemática (RPM) (n.° 37 / 2011).

 

Vivian Uliana Marsola

 

Professora de Matemática do Fundamental II

 

Confira alguns desafios criados por nossos alunos e tente decifrá-los! (Clique nas imagens para ampliá-las.)

 

Criptograma criado por Giovana Pacheco

 

Criptograma criado por Natalia Barbato

 

Criptograma criado por Vanessa Vezzaro

Conseguiu decifrar? Coloque as respostas nos Comentários!

 

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *