Museu da Imigração – 9º Ano

Como parte de um trabalho interdisciplinar, nossos alunos e alunas do nono ano tiveram a oportunidade de visitar o Museu da Imigração do estado de São Paulo. A proposta de conhecer esse importante patrimônio paulistano partiu de um projeto que tem como tema a “felicidade”. Durante as aulas, foram discutidas diferentes problemáticas e definições para o tema e, a partir daí, surgiu a intenção de apresentar o produto dessas reflexões por meio de um museu. Na disciplina de Produção de Texto, nossos estudantes aprofundaram o conceito de museu e passaram a refletir sobre seus usos e significados na contemporaneidade. Junto a isso, vinha sendo desenvolvido uma sensibilização sobre o motivo que leva pessoas a se deslocarem pelo mundo, o que muitas vezes está vinculado à busca pela felicidade, tendo como exemplo a instalação artística “UNPACKED: Refugee Baggage” (algo como Descompactado: bagagem de refugiados), em que as malas com reproduções das antigas casas desses refugiados são acompanhadas das narrativas de suas histórias para sensibilizar o visitante. A visita ao Museu da Imigração permitiu que os alunos aprofundassem a reflexão sobre esses temas.

Construído no século XIX para servir de hospedaria temporária aos imigrantes que chegavam ao estado, o Museu da Imigração promove o debate sobre a questão migratória ao conectar passado e presente e ao representar essa interseção em seus espaços. A visita ao museu, permitiu que nossos alunos tomassem contato com uma nova concepção de projeto museológico e com novos conceitos de interação artística. 

No piso superior, uma obra de arte chamou a atenção de nossos alunos. Portas brancas abertas, algumas fechadas. Trancas, umas mais altas, outras mais baixas. Essas eram as partes que compunham a instalação “Chegar é nunca chegar”, de Nicolás Llano Linares. A interatividade e a abertura para interpretação sobre a obra despertaram o interesse e abriram espaço para que nossos alunos refletissem sobre diferentes formas de promover a interação do público com objetos e obras expostos em um museu.

A questão migratória emergiu em nossas discussões durante a visita ao espaço, pudemos questionar os motivos, o sentido e as dificuldades do migrar. Na exposição permanente, a parede com sobrenomes entalhados na madeira produziu uma identificação e inspirou ainda mais nossos estudantes na tarefa que tinham pela frente, a de construir uma representação artística para o conceito de felicidade.


0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *