O estudo do meio é um dos processos pedagógicos usados pela escola para “atingir os objetivos que o mundo contemporâneo exige de cada um” (Pizza, 1992). É uma atividade que se realiza fora da sala de aula, mas que tem seu início e seu término nela também. Após escolhido o centro de interesse, esse processo passa pelas três etapas a seguir:

1ª – Uma preparação em classe pelos professores das diversas matérias, dentro de um plano integrado de ensino.

2ª – O aluno vai aos locais observar documentos, entrevistas, experimentar e vivenciar as situações aprendidas teoricamente. É o momento da prática procedimental que se formata numa excursão, visita técnica ou viagem.

3ª- De volta à classe, o aluno explorará os resultados por meio da apresentação de suas conclusões e isso pode ocorrer em forma de seminários, relatórios, material audiovisual. Assim, desenvolvem seu crescimento intelectual e humano juntamente de sua criatividade.

Dessa forma, o aluno vai sentir que os elementos estudados na escola separadamente como Geografia, História, Arte, Biologia, Química, Física, Inglês, Português e Matemática são encontrados e vivenciados como se apresentam na realidade, isto é, integrados no todo e isso é que agregará valor ao currículo escolar, garantindo a qualidade do ensino dos conteúdos programáticos.

Ir a campo para aprender na prática todo o conteúdo programático dado em aula facilita o processo de assimilação do conhecimento, porque os alunos estão inseridos numa sociedade regida por leis naturais e imersa num universo de relações sociais. Nela, a concepção de construção e reconstrução de teorias é processada mais rapidamente pela dinâmica da aprendizagem do real e não do abstrato. Essa experiência proporcionará também ao aluno, fora do ambiente da família e da escola, o uso de sua liberdade, ou seja, um momento em que ele desenvolverá o espírito de responsabilidade frente a si e aos seus companheiros de viagem, exercitando sua sociabilidade, sua participação, sua liderança e seu respeito ao próximo. É um momento extremamente importante para a aprendizagem do aluno, pois ele contará com sua autonomia para construir e reconstruir símbolos. Perceberá também, que é muito mais difícil ser livre do que ser dirigido.

Na perspectiva da formação do espírito democrático, a contribuição principal do estudo do meio é permitir contatos com novos hábitos, costumes e culturas diferentes, levando o aluno a sentir que o nosso mundo não se resume ao meio em que vivemos (a apenas o espaço da sala de aula) e que temos de respeitar os hábitos e costumes de outras pessoas. Finalmente, a partir de uma atividade desse porte, em que a motivação do deslocamento seja a aprendizagem, é provável que as chances de interação entre classe e professor sejam mais eficazes para a consolidação do processo ensino- aprendizagem e para o exercício da cidadania.

Publicado por Conceição Pinheiro

Referências:
PELLIZER, Hilário Ângelo. Turismo e Educação – um processo informal de ensino e aprendizagem
PIZZA, Domingos de Toledo. Estudo do meio como processo pedagógico.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *