O consumismo é uma preocupação que atinge famílias e educadores de crianças e adolescentes. Ninguém nasce consumista. O consumismo é uma ideologia que se tornou umas das características culturais mais marcantes da sociedade atual. Não importa o gênero, a faixa etária, a nacionalidade, a crença ou o poder aquisitivo. Hoje, todos que são impactados pelas mídias de massa são estimulados a consumir de modo inconsequente. As crianças, ainda em pleno desenvolvimento e, portanto, mais vulneráveis que os adultos, não ficam fora dessa lógica e infelizmente sofrem cada vez mais cedo com as graves consequências relacionadas aos excessos do consumismo: obesidade infantil, erotização precoce, consumo precoce de tabaco e álcool, estresse familiar, banalização da agressividade e violência, entre outras. Nesse sentido, o consumismo é uma questão urgente, de extrema importância e interesse geral.

De pais e educadores a agentes do mercado global, todos voltam os olhares para a infância − os primeiros preocupados com o futuro das crianças, já os últimos fazem crer que estão preocupados apenas com a ganância de seus negócios. Para o mercado, antes de tudo, a criança é um consumidor em formação e uma poderosa influência nos processos de escolha de produtos ou serviços. Segundo algumas pesquisas que li, as crianças e adolescentes brasileiros influenciam 80% das decisões de compra de uma família.

As crianças e adolescentes são um alvo importante, não apenas porque escolhem o que seus pais compram e são tratadas como consumidores mirins, mas também porque impactadas desde muito jovens tendem a ser mais fiéis a marcas e ao próprio hábito consumista que lhes é praticamente imposto. Aprendem a consumir de forma inconsequente e desenvolvem critérios e valores distorcidos que são de fato um problema de ordem ética, econômica e social.

Em muitas situações somos culpados indiretamente por esse consumismo, pois sem saber como agir e o que falar acabamos cedendo aos insistentes pedidos de nossos filhos, que são criativos o bastante para encontrarem diversos argumentos convincentes.
Acredito que uma boa saída para explicar as razões do porque esperar para comprar tal produto é criar situações de afeto, de conversa sincera olho no olho e um abraço carinhoso.

Para saber mais clique em:  Criança Consumo

Publicado por Cilene Iatalesi Ferrari