Na Escola Villare, as crianças de zero a dois anos de idade, exploram a motricidade livre durante as brincadeiras, seja no parque, quintal, espaço educativo ou  circuitos preparados especialmente para os pequenos. 

Mas o que é a motricidade livre? É um pilar importante na abordagem Emmi Pikler, que indica possibilidades para o bebê se desenvolver de maneira natural , passando por todas as etapas do desenvolvimento infantil.

A criança bem pequena tem condições de atuar sobre seu próprio corpo, desenvolvendo sua autonomia gradativamente, dessa forma ela aprende sobre seu corpo neste contato com o meio, fazendo tentativas e “investigando” em que postura ficar, como se deslocar e para que direção seguir. 

Nesta faixa etária, o bebê está em constante movimento, seja de forma ocasional ou intencional,  por isso é  fundamental para seu desenvolvimento promover experiências motoras como rolar, rastejar, engatinhar, caminhar, entrar, sair, subir, descer, pular e saltar, possibilitando momentos prazerosos de escolhas e respeito ao tempo e limitações individuais.

O olhar atento do educador é fundamental neste processo, respeitando o tempo de cada criança e compartilhando com as famílias a importância do cuidado e segurança afetiva para que possam se desenvolver com autonomia e satisfação pessoal.

Acolhimento é quando nossa alma se sente abraçada, é proteção, é abrigo que lembra a gente casa de vó cheio de mimo e atenção. É ser recebido com um bolo recheado de consideração. É acolher quem precisa, sem escolher ou dar preferência. Era o que eu sentia quando via meus amigos no primeiro dia de aula do ano.

É acolher com sentimento.

(João Doederlein – @akapoeta)


Estamos de volta! Depois de um ano longe dos amigos, chegou a hora de rever a todos, fortalecer e criar novos vínculos. 

Durante o período de acolhimento, revisitamos espaços da escola como o Espaço de Criação, parque e tanque de areia. Realizamos propostas de desenhos e também conversamos muito sobre nossas férias e compartilhamos os momentos com as famílias.

Contamos com muita diversão, sorrisos e muito carinho.

Acompanhem algumas propostas e brincadeiras que aconteceram no nosso grupo.

Grupo Azul

Professora Camila

Brincar é a forma mais pura da criança se expressar e aprender, são infinitas as possibilidades de exploração para o seu desenvolvimento. Nós só precisamos dar a ela segurança e, sem interferir nas brincadeiras, manter um olhar atento e carinhoso, nos posicionando como referência. 

Com essa liberdade, o bebê conquista autonomia e confiança para buscar novos desafios e nos mostrar o quanto é potente, e assim nos faz perceber detalhes tão importantes da fase e o encantamento de cada conquista. 


O ano começou com uma mistura de sentimentos e cheio de expectativas. O novo grupo, a nova professora, os novos amigos, a nova rotina, o novo “normal”. Mas aos pouquinhos, tudo foi se encaixando e mesmo com tantos protocolos (necessários) e com o uso de máscaras, as crianças encontraram na escola e no educador o olhar que acolhe, que encoraja, que compreende, que apoia e que está junto. 

Foram semanas intensas, de encontros, reencontros, desafios e muitas experiências. Rever amigos antigos, fazer novas amizades, matar a saudade dos espaços preferidos da escola, conhecer novos espaços, cantar, correr, pular, escalar, empilhar, desenhar, pintar… Tantos verbos vivenciados em tão pouco tempo que não dá para contar. 

Cada proposta foi pensada para as crianças brincarem e experimentarem… Se desafiarem, se conhecerem, se reconhecerem… E acima de tudo, para construirmos juntos uma nova história. 

Professora Aghata Forte