Matemática – Grupo de estudos e plantão de dúvidas – 5º Ano C – Prof.ª Patrícia A.

Uma boa maneira de se preparar para a prova é estudando e se dedicando aos estudos. Pensando nisso, na semana da prova parcial de matemática, foram organizados alguns momentos de grupos de estudos onde as crianças fizeram correções de algumas atividades feitas em casa, puderam anotar dúvidas relacionadas a matéria estudada e, um dia antes da prova, fizemos um plantão de dúvidas. Revisaram a matéria da prova, refizeram atividades, tiraram as dúvidas e prepararam atividades, tudo isso com os próprios colegas da sala.

Eu estava a disposição para auxiliá-los nessa organização, porém, entre eles, conseguiram se organizar com bastante autonomia e dedicação.

Projeto Nas Noites Árabes – 5º Ano C – Prof.ª Patricia A.

Em um clima cultural específico, iniciamos o projeto Nas noites árabes com uma deliciosa e instigante leitura sobre a coragem e esperteza de Sherazade, que criou um plano para enganar o Sultão.

 

As crianças estavam muito envolvidas e curiosas e, como esperado, ansiosas para a continuação das histórias.

 

No final, puderam degustar um delicioso lanche típico da culinária árabe.

 

Novas descobertas sobre a divisão! – 5º Ano D – Prof.ª Talita

Os alunos do 5º ano iniciaram uma sequência de atividades para compreenderem o procedimento do algoritmo convencional da divisão. Em grupos, receberam 363 reais (dinheirinho em notas de 100, 10 e 1 real) para dividirem entre 3 alunos. Todos os grupos foram orientados a registrarem como fizeram a distribuição.

Quando terminaram, socializaram suas estratégias.

Em outro momento, a proposta foi dividir 123 reais (dinheirinho em notas de 100, 10 e 1 real) entre 3 colegas. Porém, desta vez, o desafio foi pensar em como dividir a nota de 100 reais em 3. Chegaram a conclusão que deveriam trocar por notas de 10 reais, refletindo assim, nos procedimentos do algoritmo convencional da divisão.

Em seguida, com intervenções da professora, os alunos transformaram a divisão que fizeram com o dinheiro em um cálculo.

Outros desafios da divisão estão por vir!

Quem já sabe ler e escrever? – 5º Ano B – Professora Patrícia G.

O desafio de aprender a ler e escrever vai muito além dos anos iniciais do Fundamental I. Após desvendar como as palavras são construídas, há, ainda, um longo caminho a percorrer para que as crianças se tornem bons leitores e escritores da nossa língua. Algumas atividades vividas em sala são importantes para que as crianças aprendam a LER e ESCREVER. Entre essas atividades, destaco a leitura compartilhada do livro “Histórias árabes”, que faz parte do projeto “Nas noites árabes”.

Compartilhar a leitura de uma história significa, entre tantas outras coisas, promover o encontro das emoções. Como é gostoso ler com alguém e rir do que aconteceu com um personagem ou partilhar da mesma ansiedade para saber o que vai acontecer no próximo capítulo. A leitura nos aproxima porque nos toca no que é mais humano: a capacidade de pensar e sentir.

Estamos acompanhando esses deliciosos contos do livro e muitos outros desde o início de fevereiro e tem sido difícil eleger uma história preferida, pois muitas são encantadoras e revelam aventuras incríveis.

Esse envolvimento com a leitura permite também, por meio da mediação, explorar aspectos do texto que favorecem a aprendizagem de habilidades fundamentais para a prática da leitura e escrita, como observar as diferentes palavras utilizadas pelo autor para se referir ao mesmo personagem ou inferir sobre o que acontecerá no final da história.

Aprender a ler e escrever é, portanto, uma caminhada longa que se desenvolve ao longo da vida escolar. Mas, ainda bem, não é um andar solitário e, sim, experiência vivida com o outro, repleta de impressões e sentimentos somados e divididos.

 

Até mais!

Professora Patrícia Galinski

Novas descobertas sobre a divisão! – 5º Ano A – Prof.ª Talita

Os alunos do 5º ano iniciaram uma sequência de atividades para compreenderem o procedimento do algoritmo convencional da divisão. Em grupos, receberam 363 reais (dinheirinho em notas de 100, 10 e 1 real) para dividirem entre 3 alunos. Todos os grupos foram orientados a registrarem como fizeram a distribuição.

Quando terminaram, socializaram suas estratégias.

Em outro momento, a proposta foi dividir 123 reais (dinheirinho em notas de 100, 10 e 1 real) entre 3 colegas. Porém, desta vez, o desafio foi pensar em como dividir a nota de 100 reais em 3. Chegaram a conclusão que deveriam trocar por notas de 10 reais, refletindo assim, nos procedimentos do algoritmo convencional da divisão.

Em seguida, com intervenções da professora, os alunos transformaram a divisão que fizeram com o dinheiro em um cálculo.

Outros desafios da divisão estão por vir!

 

Lançamento do Projeto: Nas noites árabes. – 5º Ano D – Prof.ª Talita

Iniciamos o projeto “Nas noites árabes” em uma aconchegante tenda que remeteu o grupo a um dos cenários dos contos árabes. Assim que se acomodaram, logo falaram que aquele cenário os faziam lembrar de contos, como Aladin, Ali Babá, Nasrudin e histórias com gênios.

Para levantar os conhecimentos que já tinham, foram  questionados sobre quem são os povos árabes e responderam que árabes era quem nascia nos Emirados Árabes, em alguns lugares da África, no Líbano… Mas será que encontramos árabes em outros lugares? E no Brasil? O que classifica um árabe?

Desta forma, muitas dúvidas foram lançadas e o grupo foi convidado a buscar estas respostas ao longo do projeto, no qual também terão o desafio de criar e escrever mais uma história de Sherazade ao sultão Shariar para compor as “Mil e uma noites”.

E por falar em Sherazade, para mergulharem no universo das “Mil e uma noites”, ouviram a história que seu pai a contou para tentar convencê-la de não seguir seu plano de casar-se com o sultão, narrada por nossa contadora de histórias, Glaucia.

Ao trabalharem com o projeto, além de realizarem atividades diversificadas como leitura, pesquisa, interpretação de textos, terão contato também com a cultura árabe.

Neste dia, o lanche também foi especial. Apreciaram alguns clássicos da culinária árabe, como: esfiha, pão sírio e homus. Para beber, um delicioso chá de rosas! Afinal, a culinária também é uma possibilidade de nos aproximar de diferentes culturas.

Com certeza, este será um projeto prazeroso e de muita aprendizagem!

 

Roda de conversa sobre a música “Errar é humano” – 5º Ano B – Prof.ª Patricia G.

No dia 14 de fevereiro, os alunos do 5º ano B organizaram-se em uma roda e conversaram sobre a música “Errar é humano”, do Toquinho. A partir de seus versos, as crianças falaram sobre a importância dos erros no processo de aprendizagem (e falaram da aprendizagem que acontece em qualquer momento da vida e não somente na escola); da perfeição como algo que é desejado mas não é alcançado, pois disseram que ninguém é perfeito em tudo; das diferenças, sejam elas na aparência ou no jeito de ser de cada pessoa e da sensação de sentir vergonha por motivos variados.

Os alunos foram capazes de relacionar a música com outros contextos vindos de experiências vividas e, assim, trouxeram exemplos e compartilharam impressões.

Para encerrar a conversa, completaram a seguinte frase: “Não é vergonha…”. Assim, falaram que não é vergonha errar, chorar quando se machuca, pedir ajuda, ser gordinho, ter um corte de cabelo diferente, entre outros exemplos que, de tão interessantes e significativos para a turma, viraram desenhos que foram colados no vidro da porta de nossa sala de aula. Desta forma, todos os dias, ao entrar e sair da sala, visitaremos nossos registros feitos a partir da conversa sobre a música do Toquinho…

A seguir, a letra da música (vale a pena conferir o clipe também!) e algumas fotos para apreciação.

Até mais!

Professora Patrícia Galinski 

Lançamento do Projeto: Nas noites árabes. – 5º Ano A – Prof.ª Talita

Iniciamos o projeto “Nas noites árabes” em uma aconchegante tenda que remeteu o grupo a um dos cenários dos contos árabes. Assim que se acomodaram, logo falaram que aquele cenário os faziam lembrar de contos, como Aladin, Ali Babá e histórias com gênios.

Para levantar os conhecimentos que já tinham, foram questionados sobre quem são os povos árabes e responderam que árabes era quem nascia na Arábia. Mas será que só na Arábia encontramos árabes?

Desta forma, muitas dúvidas foram lançadas e o grupo foi convidado a buscar estas respostas ao longo do projeto, no qual também terão o desafio de criar e escrever mais uma história de Sherazade ao sultão Shariar para compor as “Mil e uma noites”.

E por falar em Sherazade, para mergulharem no universo das “Mil e uma noites”, ouviram a história que seu pai a contou para tentar convencê-la de não seguir seu plano de casar-se com o sultão, narrada por nossa contadora de histórias, Glaucia.

Ao trabalharem com o projeto, além de realizarem atividades diversificadas como leitura, pesquisa, interpretação de textos, terão contato também com a cultura árabe.

Neste dia, o lanche também foi especial. Apreciaram alguns clássicos da culinária árabe, como: esfiha, pão sírio e homus. Para beber, um delicioso chá de rosas! Afinal, a culinária também é uma possibilidade  de nos aproximar de diferentes culturas.

Com certeza, este será um projeto prazeroso e de muita aprendizagem!