Aprendendo com os JOGOS – 2º Ano E – Prof.ª Tatiana

O que aprendem as crianças quando jogam?

Quando estão jogando, as crianças se lançam ao coletivo, revelam suas habilidades, procuram compreender as competições, algumas vezes com a intervenção do adulto e também partilham entre seus pares o senso de cooperação.

São infinitas as possibilidades de aprendizagem com este potente recurso.

– Observar a ação de seu par, para definir sua próxima jogada.

– Explorar as possibilidades de estratégias.

– Planejar boas jogadas.

– Buscar superar os desafios.

O jogo favorece uma oportunidade significativa de aprendizagem, ele exige que as crianças resgatem saberes já adquiridos, na busca por uma solução, procurando superar os desafios propostos.

Aprendendo com os JOGOS – 2º Ano B – Prof.ª Tatiana

O que aprendem as crianças quando jogam?

Quando estão jogando, as crianças se lançam ao coletivo, revelam suas habilidades, procuram compreender as competições, algumas vezes com a intervenção do adulto e também partilham entre seus pares o senso de cooperação.

São infinitas as possibilidades de aprendizagem com este potente recurso.

– Observar a ação de seu par, para definir sua próxima jogada.

– Explorar as possibilidades de estratégias.

– Planejar boas jogadas.

– Buscar superar os desafios.

O jogo favorece uma oportunidade significativa de aprendizagem, ele exige que as crianças resgatem saberes já adquiridos, na busca por uma solução, procurando superar os desafios propostos.


Aqui também aprendemos jogando… – 2º Ano D – Prof.ª Renata

Quando os jogos entram na sala de aula de forma intencional, os saberes matemáticos acontecem de maneira mais prazerosa, pois desta forma as crianças avançam em seus conhecimentos sobre os números, na elaboração de estratégias, resolvem problemas e aprendem a argumentar defendendo suas jogadas, situações que são proporcionadas a partir das experiências vividas, das reflexões com seus parceiros de grupo e durante as socializações após as jogadas.

Nestes momentos, aprendem a respeitar regras, observam seus adversários e lidam com o ganhar e perder.

E assim, as crianças se envolvem com o conhecimento e aprendem muito jogando.

Renata Munhoz

2º ano D

Abril/2019


Entrevistando a Dra. Braynne – 2º Ano D – Prof.ª Renata

Dando continuidade ao trabalho sobre a “Dentição Infantil”, convidamos a Dra. Braynne para uma entrevista. Tudo preparado, marcamos o dia e a entrevista aconteceu.

Depois dos estudos, pesquisas, leituras e discussões em sala de aula, levantamos perguntas para conversarmos com uma especialista no assunto.

Algumas perguntas foram:

COMO SURGEM AS CÁRIES? ELAS FURAM OS DENTES?

POR QUE QUANDO ARRANCAMOS OS DENTES SANGRA?

COMO OS DENTES NASCEM?

DENTE É OSSO?

COMO OS DENTES FICAM GRUDADOS NA GENGIVA?

POR QUE ALGUNS DENTES NASCEM TORTOS E OUTROS RETOS?

OS DENTES DOS ANIMAIS SÃO IGUAIS AO DOS HUMANOS?

E assim, munidos de muita curiosidade e expectativa, a entrevista aconteceu de forma dinâmica e com muita sensibilidade por parte da Dra. Braynne, que com todo cuidado e atenção, ouviu e respondeu cada pergunta, mostrou objetos para ilustrar o que dizia e saiu encantada com os pequenos.

Foi um encontro com muita aprendizagem.

Por Renata Munhoz

2º ano D.

Março/2019


Encantamentos da leitura… – 2º Ano D – Prof.ª Renata

Mais um ano começa e junto dele novas descobertas, que nos encantam a cada ano. A  literatura é de longe uma das ações mais preciosas na formação das crianças.

E foi assim, iniciando com a leitura do livro “Píppi Meialonga” de Astrid Lindgren que os primeiros momentos de encantamento aconteceram. Uma personagem desconhecida, mas que despertou a curiosidade de todos logo no primeiro capítulo.

E assim, sempre de olhos e ouvidos atentos, as crianças vão mergulhando no universo literário, fascinados pela relação entre palavras, imagens e enredo, e trazem à tona o que está dentro de cada um de nós: a imaginação e a curiosidade.

A leitura em nossa rotina acontece de diferentes maneiras e locais, esta semana tivemos um encontro com a Gláucia no “clube de leitura”. Ao chegarmos na sala de leitura nos deparamos com o cenário de uma floresta, árvores, folhas pelo chão, e envolvidos pelo cenário ouvimos a história “Um velhinha de óculos, chinelos e vestido azul de bolinhas brancas” de Ricardo Azevedo, autor escolhido para nossos momentos de leitura compartilhada. Neste dia, cada criança recebeu o livro “Contos de bicho do mato”, que potencializará nossas leituras em sala de aula e que continuará encantando as crianças.

Por Renata Munhoz

2º ano D.


JOGOS MATEMÁTICOS – 2º Ano C – Prof.ª Adriana

No decorrer do trimestre, o 2º ano aprendeu diversos jogos nas aulas de Matemática. Além de divertir, esses jogos ajudaram a pensar sobre os números, o valor dos algarismos e a elaborar estratégias de cálculos.

Com o jogo TIRA 10 e PÕE 10, os alunos puderam realizar cálculos de adição e subtração.

O preferido do grupo, o jogo PEGA-VARETAS, possibilitou diversas problematizações, em que os alunos elaboraram diferentes estratégias de cálculo para encontrar o resultado, já que cada vareta tem um valor.

Confiram algumas situações-problema propostas durante as aulas.

  • NA PRIMEIRA RODADA, KÁTIA TIROU 1 VARETA PRETA E 1 VARETA VERMELHA. QUANTOS PONTOS KÁTIA MARCOU?
  • JOSÉ QUER MARCAR 40 PONTOS. ELE JÁ TEM 35. QUANTOS PONTOS ELE PRECISA?
  • O JOGO COMPLETO TEM 20 VARETAS. DUAS TURMAS QUEREM BRINCAR E KÁTIA DECIDIU DIVIDIR AS VARETAS. COM QUANTAS VARETAS FICARÁ CADA TURMA?

Pequenos investigadores – 2º Ano A – Prof.ª Débora

Uma das forças em nosso trabalho é levantar perguntas que norteiem um caminho de investigação. “É possível saber a “idade” de alguém, se é adulto ou criança, através da observação dos dentes?

A proposta inicial foi desenhar a boca como imaginavam, neste momento minha intenção era de que levantassem hipóteses e compartilhassem o que já sabiam a respeito da dentição. Para que confrontassem as hipóteses observaram as bocas no espelho e fizeram um novo desenho, tomando como referência a observação.  Em grupos, socializaram registros e perceberam que após a observação os desenhos ganharam detalhes da forma e quantidade.

Novas perguntas surgiram: Por que os dentes caem”? “Nossa boca é igual a de nossos pais”? “Nossos avós têm a mesma quantidade de dentes que temos”? “Como os dentes ficam presos em nossa boca”? “Por que os dentes são importantes”?

Para encontrar as respostas muitos são os caminhos da investigação, a ida ao laboratório foi um deles em que as crianças analisaram modelos dentários de crianças e adultos.

A observação, comparação, análise e conclusão são procedimentos que os alunos estão aprendendo e com isso desenvolvendo uma postura “científica” na investigação do conhecimento.


Conhecendo outros países – 2º Ano A – Prof.ª Débora

Durante as aulas de Ciências Sociais, o 2° ano A tem explorado o livro: “Um mundo de crianças” e aprendido procedimentos referentes ao papel leitor, escritor, além de conhecer como vivem as crianças ao redor do mundo.

Semanalmente durante a leitura, os alunos desenvolvem a habilidade de manter o foco, observando as semelhanças e diferenças entre o Brasil e o país estudado, bem como a localização no mapa mundi. Neste processo também aprendem a destacar palavras chaves no texto que favorecem a interpretação e registram coletivamente as descobertas.

A exploração do mapa mundi levou os alunos a compreender que os países representados nos mapas são uma representação em tamanho reduzido para facilitar o estudo.


Tempo e espaço dedicado à literatura – 2º Ano E – Prof.ª Tatiana Luiza

No trabalho com as práticas de linguagem, a leitura de textos literários ocupa um espaço significativo em nossa rotina.

Em uma de nossas visitas a sala de leitura, nossa turma conheceu uma das obras do autor brasileiro Ricardo Azevedo, “Uma velhinha de óculos, chinelos e vestido azul de bolinhas brancas”, uma história repleta de mistérios e que explora a imaginação das crianças.

Com este encontro, também tivemos a oportunidade de conhecer um pouco sobre a vida de Ricardo Azevedo e os livros mais conhecidos pelo grupo.

Ao final, de nosso encontro recebemos um presente especial, o livro “Contos de Bichos do Mato”, que durante o semestre fará parte de nossas leituras.

Observar e registrar – Dentição – 2º Ano B – Prof.ª Tatiana Luiza

Começamos nossas investigações!

Ao longo deste trimestre investigaremos sobre a Dentição, levantando hipóteses, coletando dados, observando e registrando.

A pergunta que norteou o início de nossa investigação foi, “É possível sabermos a idade de alguém apenas observando a boca?”.

“A gente nasce sem dente, ele nasce quando a gente cresce um pouquinho.”

“Os adultos tem muitos dentes na boca e são maiores.”

“As crianças que tem 5, 6, 7 anos tem janelinhas na boca, são os espaços dos dentes que caíram.”

Após a roda de primeiras ideias, em pequenos grupos as crianças realizaram a tarefa de observar e desenhar a própria boca com o máximo de detalhes.

Vejam nossos primeiros registros!