O que esconde uma semente? – 1º Ano E – Prof.ª Talita

Observar as transformações que ocorrem na natureza é fundamental para compreender seus ciclos e implicações para a vida do homem ou como a ação humana interfere nas transformações e nos ciclos naturais.

Partindo desse eixo norteador, o primeiro ano tem realizado um estudo sobre as sementes, suas características, assim como o ciclo germinativo e seus avanços. Para isso, as crianças trouxeram sementes variadas, observaram e compararam tamanhos, cores, texturas e sua relação com as frutas e seus aspectos. Uma semente guarda um segredo, o segredo do nascimento, da oportunidade de uma nova vida e suas mudanças.

Após análise e levantamento de hipóteses sobre algumas sementes, chegou o momento de semeá-las. A turma foi divida em grupos, e cada integrante teve a tarefa de separar os materiais necessários para que a germinação pudesse acontecer. Após esse preparo, as sementes foram transferidas para um ambiente favorável a germinação. Agora, o grupo tem o desafio de analisar o crescimento das sementes, realizando intervenções necessárias ao bom crescimento de uma nova planta.

GERMINAÇÃO – 1º Ano D – Prof.ª Thaís

Iniciamos o projeto  com uma coleção de sementes.

Destacar elementos sensoriais ao discutir a problemática, ajudam a lembrarem dos sons, cheiros, gostos e sensações táteis. Experiências que auxiliam na construção de uma imagem mental complexa e de uma memória mais estável.

O interesse em ter uma coleção  surgiu a partir de uma sementes encontradas durante o lanche.

As crianças passaram então a trazer sementes que encontravam nos alimentos.

Realizamos algumas experiências e  ao pesquisarmos encontramos uma maneira de preparar as sementes para germinar.

E o resultado queremos compartilhar com vocês!


GERMINAÇÃO – 1º Ano B – Prof.ª Thaís

Iniciamos o projeto  com uma coleção de sementes.

Destacar elementos sensoriais ao discutir a problemática, ajudam a lembrarem dos sons, cheiros, gostos e sensações táteis. Experiências que auxiliam na construção de uma imagem mental complexa e de uma memória mais estável.

O interesse em ter uma coleção  surgiu a partir de uma sementes encontradas durante o lanche.

As crianças passaram então a trazer sementes que encontravam nos alimentos.

Realizamos algumas experiências e  ao pesquisarmos encontramos uma maneira de preparar as sementes para germinar.

E o resultado queremos compartilhar com vocês!


O mundo da leitura – 1º Ano F – Prof.ª Marcela

Em nossa rotina escolar a leitura é promovida em diferentes momentos, seja individual, compartilhada ou em roda, onde o professor é o mediador.

A leitura, é vista por nós como ícone essencial e de importância na formação do pensamento crítico científico. Por isso nossas crianças estão sendo preparadas para questionar, perguntar e descobrir o que sentem.

Aqui estão alguns momentos de leitura que perpassam o mundo imaginário, a reflexão e construção do pensamento científico.  


1ano F

Professora Marcela


Caderno: o parceiro do conhecimento – 1º Ano F – Prof.ª Marcela

Nossas crianças vivenciaram um momento novo, que marca uma importante etapa na vida escolar de cada um.

Em meio a uma cerimônia, receberam o primeiro caderno de suas vidas escolares, em que farão os primeiros registros de suas vivencias e aprendizagens. A partir desse momento o caderno se tornou um grande parceiro do conhecimento, onde cada um irá escrever uma bela história de aprendizados.

1ano F

Professora Marcela

O que é semente? Isso é caroço? – 1º Ano F – Prof.ª Marcela

Iniciamos o ano letivo provocando a turma e despertando um comportamento investigativo.

As crianças se interessam pelo mundo e pelas transformações que as cercam. Basta serem provocados e orientados para que o pensamento científico inicie junto das curiosidades e das inquietações.

Partimos do estudo da natureza começamos o projeto Germinação, com a leitura do livro Coco de passarinho, que desencadeou uma série de questionamentos. Aproveitando desse momento passamos a observar as sementes presentes nas frutas do lanche e começamos a formar uma coleção de sementes.

Em meio a classificação e separação do material surge uma dúvida o que é caroço e o que é semente? E iniciamos um processo de observação, registro e comparação.

O pensamento científico se revela na investigação, nas vivencias e questionamentos.

Selecionamos alguns momentos que revelam o comportamento investigativo das crianças.

1ano F
Professora Marcela

Clube de Leitura – 1º Ano C – Prof.ª Natália



Essa escolha foi realizada devido à necessidade do grupo de pensar sobre emoções e relações presentes na escola, além da organização temporal da rotina que a literatura traz durante a narrativa.

Essa escolha foi realizada devido à necessidade do grupo de pensar sobre emoções e relações presentes na escola, além da organização temporal da rotina que a literatura traz durante a narrativa.

Em sala de aula, realizamos uma roda de conversa sobre os combinados e atitudes pertinentes à biblioteca e fizemos uma lista dos nossos acordos.

Perguntas para conduzir a conversa literária:

O que a Roberta descobriu depois que começou a conversar com as pessoas?

Valentina Evangelista: “Que elas tinham uma história”

Valentina Almeida: “Que a cozinheira tinha calor e pressa”

Natália: “ Mas, ao saber dessas coisas, ela continua achando que era simplesmente porque as pessoas eram chatas”?

Marcella: “Ela percebeu que todo mundo tinha uma história e um jeito de viver”

Letícia: “Ela tinha que tirar os pratos rápido, porque ela tinha que buscar o filho na escola. Se não, não dava tempo”

Gláucia: “E a Roberta tinha uma rotina”?

Artur: “O que é rotina”

Manuela: “É aquilo que a gente faz todos os dias”.

Lívia: “Ela ia pra escola todo dia no mesmo horário. Ela ia comer”.

Marcella: “Ela tinha horário pra jantar”.

Valentina Almeida: “Tinha horário pra brincar”.

Maria Luíza: “Ela dormia sempre na hora certa, pra não chegar atrasada no dia seguinte”.

Letícia: “Também tem horário pra estudar e fazer lição de casa”.

Gláucia: “E aqui, alguém tem rotina”?

Enzo: “Eu levanto, tomo meu café da manhã, aí eu venho pra escola, estudo, tomo lanche, almoço, faço a lição de casa, escovo meus dentes, vou pro meu treino de futebol e durmo”.

Pedro Rodrigues: “Eu acordo, tomo banho, café da manhã, venho pra escola, almoço, janto, meus pais chegam e aí eu durmo”.

Encerramos o encontro dizendo os pontos positivos e negativos do comportamento do grupo e combinamos melhorar para o próximo.


Parte de um espaço – 1º Ano C – Prof.ª Natália

“ É na escola que deve ocorrer a aprendizagem espacial voltada para a compreensão das formas pelas quais a sociedade organiza seu espaço – o que só será plenamente possível com o uso de representações formais desse espaço”. Almeida e Passini

Reconhecer-se como parte integrante de um espaço significa valorizar a vida presente na organização e nas relações que o tornam um ambiente de aprendizagem.

Partimos de um espaço real: nossa escola. E assim, percorremos diferentes lugares: sala de aula, quadra, pátio, sala de possibilidades, banheiros, refeitório, ateliê, área livre e rampas.

Ao observar, localizar, identificar e problematizar percursos, nos debruçamos em inúmeras possibilidades de representações dos nossos estudos: uso de massinha de modelar, blocos de madeira, papel, lápis de cor e fotografia.

Essas representações nos aproximaram de uma linguagem ampla: cartografia. Por meio dela, entendemos as cores utilizadas, a escala para tornar visível, a organização espacial e a disposição dos objetos.

Saber ler um mapa é saber interpretar o mundo e relacionar a escola com a realidade que nos cerca.

Nossas primeiras semanas – 1º Ano C – Prof.ª Natália

“Ao brincar, a criança assume papéis e aceita as regras próprias da brincadeira, executando, imaginariamente, muitas tarefas” Lev Vygotsky

Chegar, começar e experimentar tantas possibilidades não é tarefa simples. Existe um tempo de férias entre um ano e outro, a despedida da família, a regularização do sono, dos horários, da rotina por inteira.

Nossas primeiras semanas foram exploratórias, simbólicas e fundamentais para a vida coletiva do nosso grupo. Estamos compreendendo as regras da escola, expandindo as amizades e brincando muito, para tornar leve a chegada ao Fundamental I.

Conhecemos os espaços da escola, os setores da sala, jogos e brincadeiras. Pulamos corda, construímos projetos arquitetônicos, jogamos “campo minado” na quadra, cantamos e fizemos alguns registros.

Essas vivências continuarão presentes e nos acompanharão na aventura que continuaremos na estrada da leitura e escrita.


Nossa escola é assim! – 1º Ano D – Prof.ª Thais

Investigar, perceber os espaços da escola e reconhecer os diferentes papéis das pessoas que atuam nos mesmos são atividades que fortalecem as relações humanas.
Neste contexto propostas como “Detetives do cotidiano” proporcionam um momento de observação em que as crianças percebem a dinâmica dos espaços e a importância de quem trabalha neles.
Representar o que observaram se torna um grande desafio neste momento e diferentes estratégias surgem, como fotografia, desenhos e algumas escritas.
Pesquisa é movida pela curiosidade, e o que parte da curiosidade gera interesse e motivação. Experiência de algo que será descoberto e que ficará guardado na memória, e o mais importante cheio de significado!