A CORRIDA ESPACIAL

 [por Leonardo Sábio Taveira e João Victor Garbelotti]

Duas grandes potências mundiais lutaram ideologicamente para provar a superioridade de suas ideias, durante a Guerra Fria, de 1945 até 1991.

corrida espacial

  Um dos grandes marcos da Guerra Fria foi a corrida espacial, o momento quando  Estados Unidos da América e União das Repúblicas Socialistas Soviéticas competiam entre si para ver quem “conquistava” o espaço primeiro, um feito antes considerado impossível. Ao contrário do que muita gente pensa, os EUA não foram o primeiro a lançar e manter um objeto no espaço, mas sim a URSS. A história divide esses acontecimentos em quatro fases. A primeira fase consistiu em levar um objeto ao espaço e então o Sputnik (satélite) foi lançado pela URSS. Alguns meses depois, os EUA lançaram o Explorer 1. A competição acirrou-se. Mesmo que a União Soviética tenha saído um pouco na frente, os Estados Unidos tinham uma grande vantagem: sua influência da mídia no mundo. A segunda fase tratou de enviar vida ao espaço.URSS novamente saiu na frente e enviou Laika, uma cadela. Logo os EUA lançaram Able, uma macaca. Ambos os animais morreram após aterrissar devido à grande pressão e ao calor ao qual não estavam acostumados. A última fase, mas não menos importante, foi o lançamento de pessoas. A URSS lançou Yuri Gagarin para o espaço. Os EUA,  tentando encontrar um fim para a disputa, disseram que quem conquistasse a Lua primeiro seria a melhor nação. Porém, a URSS disse que era perda de tempo lançar um ser humano para esse fim, mas uma sonda seria útil. Então tomaram uma iniciativa muito mais inteligente: construir uma estação espacial girando em volta da Terra. Os dois cumpriram os seus objetivos e até hoje cada um se vangloria de seu feito. Atualmente,  outros países estão interessados em ter seu “pedaço” do espaço. A China já está com planos para ir a Marte e lançar sua própria estação espacial.

Seleção dos planetas e das nações candidatas a chegar lá

Mercúrio – Candidatos: EUA e União Europeia. Apesar de estar muito próximo ao Sol, ele deve ter gelo escondido em crateras protegidas do calor. É também um dos poucos corpos do sistema solar com um campo magnético. Quem está na frente? EUA. A sonda americana Messenger foi lançada em 2008, quatro anos antes da decolagem das naves europeias Bepi-Colombo (um conjunto de duas sondas, para o caso de uma dar defeito).

Vênus – Candidatos: União Europeia e Japão. Querem entender por que o efeito estufa fez com que Vênus – que há alguns bilhões de anos era semelhante à Terra, talvez até com oceanos – se tornasse o planeta mais quente do sistema solar. O passo seguinte é evitar que a Terra tenha um destino semelhante. Quem está na frente? Os europeus, com a Venus Express, lançada em  2005. Já a japonesa Planet-C saiu do chão em 2008, mas falhou e não concluiu sua missão.

Órbita da Terra – Candidatos: EUA, Rússia, China, União Europeia, Índia, Brasil e iniciativa privada Além de ser pré-requisito para qualquer viagem espacial, é uma mina de ouro para serviços como comunicação, navegação, monitoramento e defesa. E, em breve, pode se tornar um grande ponto turístico. Quem está na frente? EUA, Rússia e China, que já conseguem mandar astronautas para lá. Empresários podem logo se juntar a esse time. Já Brasil e Índia já criaram alguns foguetes para mandar satélites.

Cometas – Candidatos: EUA e União Europeia. Querem estudar do que são feitos, para o caso de um cair aqui. Além disso, eles têm materiais antigos que podem dar pistas sobre a origem do sistema solar. Quem está na frente? EUA, com a nave Deep Impact, que já disparou contra um cometa e abriu uma cratera para estudar o que tem lá dentro. Já a europeia, Rosetta, lançada em março de 2004, pousou um robô em outro cometa este ano.

Plutão – Candidatos: EUA. Pretendem refazer o mapa do sistema solar. A questão é se Plutão é um planeta de verdade, ou um dos objetos do Cinturão de Kuiper – corpos de rocha que sobraram da formação do sistema solar. O governo americano aprovou o lançamento da nave. Ela vai chegar em 2015.

Marte – Candidatos: EUA e União Europeia. Além de desenvolver a ciência – especula-se que Marte possa ter vida na forma de vírus e bactérias – o prestígio que se ganha com as missões ao planeta vermelho só é comparável ao das missões Apollo, que foram à Lua há 36 anos. Quem está na frente? Empate entre Europa e EUA. Os europeus têm uma sonda mapeando o planeta e os americanos, dois robozinhos estudando o solo. No futuro, europeus querem trazer para a Terra amostras do solo marciano. Já os EUA planejam um robô ainda maior e mais equipado.

Lua – Candidatos: EUA, Japão e Índia.  É uma etapa de preparação para chegar a Marte. Os cientistas querem aprender como construir e manter uma base lá para depois repeti-la no planeta vermelho. A Lua também possui minerais e gases raros, como o hélio 3, que pode ser um combustível ainda mais eficiente do que os usados atualmente em reatores nucleares. Quem está na frente? EUA, que já conhecem o lugar. O próximo a ir para lá, no entanto, foi a Índia, que lançou  a sonda lunar Chandrayaan-1 em 2008.

laika

laika (Cadela URSS)

able

Able (Macaca EUA)

Sputnik (Satélite URSS)

Explorer1

Explorer1 (Satélite EUA)

Yuri gagarin

Yuri gagarin (1º homem no espaço URSS)

apollo11-crew

Apollo 11 (1º homem na Lua EUA)

DECIDEN ELEVAR LA ÓRBITA DE LA EEI PARA EVITAR CHOQUE CON BASURA ESPACIAL

Estação espacial mundial (URSS)

 

Faça um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *